Governador Hartung debate gestão pública do Brasil nos Estados Unidos

APROXIMADAMENTE trinta pessoas participam do encontro nos EUA.

“Foi inspirador refletir em conjunto sobre o Brasil, seus desafios e oportunidades, com especial foco em projetos que haverão de oxigenar e modernizar a administração pública de nosso país, nos três níveis de governo”. Assim o governador Paulo Hartung definiu a experiência de participar do “Encontro de Altas Autoridades Brazil Rising – Uma Nova Gestão Pública para um Novo Brasil”, que começou no último domingo (19) e terminou nesta terça-feira (21), na cidade de New Haven, Estado de Connecticut, nos Estados Unidos da América. O evento é uma realização da Fundação Lemann, que desenvolve e apoia estudos, pesquisas e projetos inovadores em educação, em parceria com a Universidade Yale e a Escola de Governo Blavatnik da Universidade de Oxford.

Paulo Hartung faz parte do seleto grupo, de aproximadamente 30 pessoas, convidado pela Fundação Lemann para o encontro, que ocorreu no campus de Yale. Segundo o governador, a escolha se deve à trajetória que o Espírito Santo vem trilhando. Além do governador Paulo Hartung, outros dois governadores brasileiros foram convidados para o evento: Camilo Santana do Ceará e Paulo Câmara de Pernambuco, reconhecidos pelas experiências de sucesso, principalmente na área da Educação.

Nesta terça-feira (21), o modelo de gestão capixaba foi apresentado por Hartung, que detalhou como conseguiu, mesmo diante da crise econômica e sociopolítica no Brasil, um ajuste fiscal que permitiu manter as contas do Estado equilibradas, sem deixar de investir e inovar em políticas públicas, se tornando referência para outros estados brasileiros. Na ocasião, o governador citou projetos estruturantes que envolvem a área de Saúde, Meio ambiente e principalmente da Educação.

“O Espírito Santo está com as contas organizadas e vem inovando com importantes políticas públicas, em especial na Educação, com a Escola Viva, que já atende a aproximadamente 10 mil jovens com ensino em tempo integral, e o Pacto pela Aprendizagem, que estimula a melhoria dos indicadores na educação básica, com a união de esforços entre o Governo do Estado, as prefeituras, a sociedade civil e a iniciativa privada; com o Ocupação Social, programa que já realizou 19 mil atendimentos a jovens em 25 comunidades de maior vulnerabilidade social; na Saúde, com a implantação da Rede Cuidar, um novo conceito em saúde pública, que prioriza a saúde preventiva, oferece atendimento multiprofissional e desenvolve um plano de cuidado personalizado; no Meio Ambiente, com o Programa Reflorestar, que promove a sustentabilidade por meio da conservação e recuperação da cobertura florestal, com geração de oportunidades e renda para o produtor rural, cuja meta é a recuperação de 80 mil hectares até 2018 por meio doações de restauração e conservação da vegetação nativa”, explicou Paulo Hartung.

O evento reuniu lideranças brasileiras e internacionais, entre gestores dos setores público e privado, da sociedade civil, além de especialistas em reformas do setor público e em gestão de recursos humanos governamentais. O empresário Paulo Jorge Lemann, fundador e presidente da Fundação Lemann, também estava presente. Entre os convidados para o encontro estavam o senador capixaba Ricardo Ferraço, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF; o ministro da Educação, Mendonça Filho; a senadora Katia Abreu, de Tocantins; deputados federais de Goiás, do Rio de Janeiro e do Paraná; os ex-prefeitos Fernando Haddad e Marcio Lacerda, de São Paulo e de Belo Horizonte, respectivamente; o ex-governador e ex-ministro Cid Gomes; o economista Bernard Appy, além de empresários brasileiros, como o fundador da Natura, Guilherme Leal.

Durante o evento, foram apresentadas as experiências positivas de cada gestor participante, inclusive “cases” de sucesso, reconhecidos globalmente de países como Singapura e Chile, além do anfitrião, EUA. Foram três dias de análises e estudos, a partir dos conhecimentos compartilhados entre as lideranças participantes, para encontrar soluções inovadoras sobre como o setor público brasileiro, em seus três níveis, pode melhor se preparar para os desafios que o século XXI, vem impondo aos governantes, às instituições públicas e à sociedade.

O secretário-chefe da Casa Civil, embaixador José Carlos da Fonseca Júnior, acompanhou o governador Paulo Hartung na viagem, que foi realizada sem ônus financeiro para o Governo do Espírito Santo.

“O evento proporcionou um encontro muito plural e representativo, de lideranças relevantes e experimentadas, que compartilham, para além da diversidade de opiniões e perspectivas, a motivação de reformar e qualificar nosso setor público, que precisa estar à altura do que merecem os cidadãos e contribuintes brasileiros”, finalizou o governador Paulo Hartung.

Fundação Lemann

A Fundação Lemann foi instituída em 2002 pelo empresário brasileiro Jorge Paulo Lemann. É uma entidade sem fins lucrativos que tem por missão colaborar com pessoas e instituições em iniciativas de grande impacto que garantam a aprendizagem de todos os alunos e formar líderes que resolvam os problemas sociais do país, levando o Brasil a um salto de desenvolvimento com equidade.

Yale e Oxford

A Universidade Yale, fundada nos EUA em 1701, é uma instituição privada de ensino superior com reconhecimento de excelência acadêmica em múltiplas áreas de ensino e pesquisa. Já a Universidade Oxford, cujas origens remontam ao século XI, é a mais antiga instituição de ensino superior no mundo anglofônico e a segunda mais antiga em funcionamento contínuo.

Diplomacia ativa

As recentes missões desenvolvidas pelo governador Paulo Hartung fazem parte de uma estratégia do Poder Executivo Estadual que quer priorizar a diplomacia ativa, ferramenta para promover uma inserção mais competitiva de produtos e serviços do Espírito Santo aos mercados internacionais, para divulgar o potencial do estado como destino turístico e de investimentos e fomentar vínculos e conexões entre arranjos econômicos e cadeias produtivas capixabas que tenham vocação externa. Quase metade do Produto Interno Bruto do Espírito Santo está relacionado, direta ou indiretamente, ao setor externo e, por isso, a prioridade de buscar oportunidades no exterior.

COMPARTILHE

COMENTE