Uneb oferece cotas para trans, travestis, ciganos e quilombolas e autistas

A partir de 2019, a Universidade do Estado da Bahia (Uneb) vai oferecer vagas para transexuais, travestis, quilombolas, ciganos, pessoas com deficiências e autismo.

A medida, passo importante nas políticas de inclusão de grupos historicamente negligenciados, representa acréscimo de 5% no total de vagas oferecidas na graduação e na pós-graduação da instituição de ensino baiana. Aliás, a própria Uneb foi uma das primeiras universidades a adotar as cotas sociorraciais ainda em 2002.

Vale ressaltar que isso não altera em nada o total de assentos oferecidos pela Uneb. Atualmente são 60% para os não-cotistas e cerca de 40% para candidatos negros. Outra coisa, as cotas para os que se autodeclaram indígenas permanecem como estão.

Para concorrer às cotas é necessário ter cursado todo o segundo ciclo do ensino fundamental e o ensino médio em escola pública. Além disso, o pleiteante deve ter renda familiar mensal de até quatro salários mínimos.

 

Reivindicação histórica 

O anúncio da adoção de medidas inclusivas por parte da Uneb representa um avanço na luta contra o aumento dos efeitos causados por preconceitos como a transfobia.

Segundo estudo realizado pela Secretaria de Educação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (ABLGBT) publicado no Correio Braziliense, 73% dos estudantes que não se declaram  heterossexuais já foram agredidos verbalmente em instituições de ensino. A porcentagem atinge um a cada quatro alunos.

PASSO importante na luta pela inclusão social no ensino superior.

Com isso, a evasão escolar de travestis e transexuais não para de subir. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) reflete isso com precisão ao apontar que o Brasil concentra 82% do abandono dos estudos justamente neste setor social.

O cenário vivido pela população indígena não é diferente. Um levantamento feito pelo G1 mostra que 63% dos indígenas não conseguiram vaga gratuita ou não foram selecionados por programas com o Fies ou o Prouni.

O ensino superior conta com 49 mil índios matriculados e ao analisar somente os frequentes na rede privada de ensino, por volta de 71% não contam com nenhum tipo de financiamento ou bolsa do Prouni. Diga-se, muito semelhante ao cenário vivido pelos negros (70,5%).

A inclusão de ciganos, especialmente na Bahia – segundo estado com o maior número de acampamentos das três etnias que vivem no Brasil (calon,rom e sinti), representa a ampliação do acesso aos estudos para este grupo.

“A justificativa é a reparação histórica e política”, disse a pró-reitora de Ações Afirmativas da universidade, Amélia Maraux.

 

Retirado do portal de notícias Hypeness Brasil.

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.