Se trabalho doméstico fosse remunerado, mulheres ganhariam mais que homens, aponta estudo

A coluna do jornalista Ancelmo Goes publicou uma notícia intrigante e que reflete o cenário difícil enfrentado pelas mulheres no mercado de trabalho. A notícia veiculada em O Globo aponta que se as mulheres recebessem pelo trabalho doméstico, ganhariam mais de R$ 1 trilhão.

A constatação é baseada em estudo feito pelo Instituto Locomotiva, o Womans 20 Outreach, que realizou uma pesquisa sobre inclusão feminina no mercado de trabalho.

Outro agravante mora na jornada de trabalho. De acordo com o levantamento, o tempo médio gasto por mulheres com os afazeres domésticos, incluindo o cuidado com pessoas, é de 92 horas por mês.

Trocando em miúdos, caso estas profissionais fossem remuneradas de acordo com a configuração do mercado de trabalho, a quantia ficaria na casa do R$ 1.066 trilhão por ano.

Os resultados vão de encontro com outro levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que no último Dia da Mulher, compilou dados concluindo que mulheres trabalham 72% a mais do que os homens quando o assunto são afazeres domésticos.

AS MULHERES negras são as que mais sofrem nesta história.

 

O cenário se agrava ainda mais se o recorte leva em consideração a disparidade racial vigente. No caso das mulheres negras, o tempo gasto sobe em pelo menos 1 hora. Em comparação com os homens negros, esta parcela da população se dedica 8 horas a mais.

“Constatamos que a profissão doméstica é uma das mais negligenciadas e isso é um resultado claro do histórico escravista, ou melhor é visivelmente uma extensão da escravidão só que disfarçada”, opina em texto publicado no Blogueiras Negras a estudante de psicologia Mara Gomes.

A resolução do entrave é fundamental para o desenvolvimento. O Brasil, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), é dono da maior população de trabalhadores domésticos. Os números superam os habitantes da Dinamarca.

SIM, trata-se de um legado de tempos onde a escravidão era regra por aqui.

E o fato de mulheres negras serem as protagonistas desta história reflete, como disse Mara Gomes, o legado da escravidão. Último país a abolir a prática de escravizar pessoas, o Brasil insiste em não adotar políticas efetivas de equidade racial. Além disso, a ideia de uma servidora da família ainda é muito comum na mente das pessoas.

Há cinco anos atrás foi promulgada a Emenda Constitucional 72, mais conhecida como a PEC das Domésticas (PEC 66/2012). A lei concede aos trabalhadores domésticos direitos básicos como uma jornada de trabalho de até 8 horas por dia, além de remuneração prevista no caso de horas extra. Contudo ainda falta muito. O IBGE diz que atualmente são mais de 6.300 domésticas no Brasil, entretanto apenas 1.500 possuem vínculo empregatício formal.

 

Retirado do portal de notícias Hypeness Brasil.

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.