Para evitar trauma, Brasil tenta suavizar os 7 a 1 na Alemanha. Confronto acontece hoje

THIAGO SILVA e Willian durante treino da Seleção Brasileira, no Estádio An der Alten Försterei.

É fato que a derrota do Brasil por 7 a 1 para a Alemanha nunca será apagada da história. Porém, pensando em evitar que a traumática goleada influencie psicologicamente em um possível novo confronto entre as duas equipes na Copa do Mundo de 2018, a comissão técnica da seleção se esforçou para reencontrar os algozes de 2014 antes da competição na Rússia. No amistoso desta terça-feira em Berlim, às 15h45 (de Brasília), a missão brasileira é tentar suavizar o impacto que aquele placar ainda pode causar nos atletas diante do perigoso adversário.

Depois de vencer a Rússia por 3 a 0 na última sexta-feira no estádio Luzhniki, palco da final da Copa, a seleção treinou na capital alemã no sábado e no domingo. Mas antes disso, logo após o amistoso em Moscou, o duelo contra a Alemanha já era assunto em perguntas na entrevista coletiva e na zona mista. O técnico Tite bem que tentou se esquivar do tema naquele momento, mas admitiu que a partida de terça é importante emocionalmente.
“O jogo de 7 a 1 é o último jogo que aconteceu entre os times e temos naturalidade de saber que vamos enfrentar a Alemanha em Berlim, foi campeã mundial, nos venceu de 7 a 1 e é uma etapa que passou. Estamos em um período de construção e emocionalmente será importante enfrentar a Alemanha. Contra a Alemanha, vamos querer jogar futebol, ser competitivos, mentalmente forte, fisicamente bem, colocar uma ideia de jogo. Procuramos impôr nossa forma de jogar”, afirmou o treinador.

Este será o primeiro jogo entre as equipes principais de Brasil e Alemanha desde a semifinal no Mineirão. Na Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro, os brasileiros venceram os alemães nos pênaltis na final e conquistaram a medalha de ouro, mas como um time olímpico, sub-23, e mais três atletas acima desta idade, incluindo Neymar.

O zagueiro Thiago Silva, capitão da seleção na Copa de 2014, mas que não atuou nos 7 a 1 por estar suspenso, também falou sobre a importância de encarar a Alemanha neste momento, destacando a boa fase atual do Brasil. Desde que Tite assumiu o cargo, foram 14 vitórias em 18 jogos disputados, e apenas uma derrota.

“Podemos nos sair bem, com uma vitória no campo adversário, contra uma excelente equipe. Acho que o momento é ideal para enfrentá-los, estamos bem, com a confiança lá em cima, a cabeça no lugar. É inevitável falar dos 7 a 1, mas procuramos minimizar o máximo possível para estarmos preparados para este novo confronto. Um momento importante, sabemos que de amistoso não tem nada, porque queremos ganhar e eles também, principalmente depois do último resultado. Mas o mais importante é que façamos o nosso jogo, como temos feito”, disse Thiago.

“É inevitável pensarmos em algum momento em tudo o que aconteceu, até para que tiremos como aprendizado, porque tudo que acontece na vida você tem que tirar uma lição, seja ela boa ou ruim, para que não volte a acontecer. Vamos entrar tranquilos, procurando fazer o nosso jogo. O Tite é um cara espetacular para este tipo de situação e com certeza vai deixar a gente na cara do gol para este jogo”.

Em entrevista coletiva após o treinamento deste domingo no estádio do FC Union Berlin, o zagueiro Miranda disse que, independentemente do resultado contra a Alemanha nesta terça-feira, o Brasil precisa dar continuidade no trabalho.

“Esse jogo não vai alterar nosso projeto, não seremos nem melhores vencendo ou piores se a derrota acontecer. Temos de estar mentalmente fortes e saber que é um jogo importante, mas que temos feito um grande trabalho, uma grande preparação. Aquilo ficou para a história (7 a 1), é uma boa recordação para os alemães, para nós é com tristeza. Mas é passado, hoje a seleção está mais bem preparada, pronta para enfrentar um adversário como a Alemanha, que é uma das favoritas à Copa. Temos de demonstrar nosso valor e nosso trabalho”, afirmou Miranda, que vivia grande fase no Atlético de Madri, mas não foi convocado pelo técnico Luiz Felipe Scolari para a Copa de 2014.

Também na sexta-feira, a Alemanha empatou com a Espanha por 1 a 1, no duelo dos dois últimos campeões mundiais, em um amistoso de alto nível em Dusseldorf. O jogo desta terça-feira, às 15h45 (horário de Brasília) no estádio Olímpico de Berlim, não vale pontos na tabela, mas pode ter reflexo decisivo na caminhada pelo hexa que começa na Rússia daqui a menos de três meses.

COMPARTILHE

COMENTE