CONTRAPONTO CORREIO9: Os desafios do presidente eleito Jair Bolsonaro no Congresso Nacional

Elias de Lemos (Correio9)


O PRESIDENTE eleito terá que conquistar o comando na Câmara e negociar no Senado para levar sua agenda adiante e resistir à política do ‘toma-lá-dá-cá’

Eleito presidente com mais de 57,7 milhões de votos, no último domingo, 28, Jair Bolsonaro (PSL) começou a organizar o governo com o desafio de transformar seu discurso anticorrupção em governabilidade. A onda bolsonariana deu ao PSL a segunda maior bancada da Câmara Federal, com 52 deputados, ficando atrás apenas do PT, que tem 56. No entanto, no Senado o futuro governo deve ser minoria.

Logo após a vitória, Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo no Facebook ressaltando que possui condições de governar e que honrará os compromissos assumidos com parlamentares durante a campanha. Porém, o desafio será formar maioria no Congresso sem recorrer à tradicional política do ‘toma-lá-dá-cá’, que é tanto criticada pelo presidente eleito.

O novo presidente foi eleito em meio a muitas desconfianças que precisam ser superadas. Ele vai precisar negociar alianças sólidas para evitar eventuais crises políticas e conduzir as prioridades do governo na pauta legislativa. Entre as mais importantes, estão as reformas prometidas para a Previdência, Tributária e a retomada da economia.

Base de apoio

O desafio de Bolsonaro é formar maioria com métodos alternativos aos da política tradicional. É a primeira vez que a negociação que vem sendo realizada por meio de apoios individuais, sem as bancadas partidárias, está sendo testada. Isto tem gerado dúvidas sobre a viabilidade de construção de uma base de apoio estável e fiel ao governo.

Desfazer as desconfianças 

Bolsonaro e seu núcleo político são avessos aos chefes partidários e são também desprezados por eles. De um lado, parlamentares julgam ser impossível ao governo obter vitórias sem concessões aos congressistas. De outro lado, o futuro presidente – que prega contra a política tradicional do ‘toma-lá-dá-cá’.

Na Câmara Federal

O novo governo vai precisar manter seus aliados mais fiéis e negociar, com o chamado “centrão”, a composição de uma candidatura – para a Presidência da Casa – que seja favorável ao Executivo.

No Senado

O partido do governo eleito tem uma bancada menor e enfrenta maior resistência no Senado. O desafio é articular a eleição para a Presidência a fim de evitar a ascensão de um oponente ao comando da Casa.

Negociar a votação das reformas

A retomada do crescimento da economia impõe, ao governo, o desafio de convencer a base a votar matérias impopulares, como a reforma da Previdência e o ajuste fiscal.

Obter e manter fidelidade no Congresso

Para governar, o futuro presidente deverá buscar manter um nível de coesão – da base aliada – capaz de resistir a crises políticas e firmar uma estrutura que permita força política ao governo em casos de eventuais acusações contra seus integrantes ou oposição às propostas do governo.

 

* O autor é economista, professor, jornalista e editor-chefe do Correio9.

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.