Conheça André Fagundes, o novo secretário de Saúde de Nova Venécia

SECRETÁRIO assumiu a pasta no início desta semana e concedeu entrevista exclusiva para o Correio9.

Kim Campos (Correio9)

 

Logo após assumir a pasta como novo Secretário de Saúde de Nova Venécia, André Willer Silva Fagundes concedeu entrevista exclusiva ao Correio9. Ele foi categórico e muito motivador quanto aos serviços de sua alçada. Enfermeiro de formação, exerce a função no Hospital São Marcos há oito anos e já atuou em duas oportunidades na Prefeitura de Nova Venécia, sendo uma, inclusive, na atual gestão. Confira:

 

CORREIO9 – Secretário, quais as suas expectativas quanto ao novo posto que ocupa?
ANDRÉ – A expectativa é a melhor possível, apesar do país viver em recessão há alguns anos, acredito que um trabalho com muito empenho, seriedade e dedicação, além de observar as demandas emergências da nossa população, sanar ou minimizar essas demandas e dar continuidade a um trabalho que vem sendo bem desenvolvido é o melhor caminho para obter êxito e garantir à população um atendimento humanizado e com qualidade.

 

CORREIO9 – Há uma estratégia específica da sua parte para a gestão da pasta?
ANDRÉ – Os trabalhos serão baseados no Plano Municipal de Saúde. A melhor estratégia, no entanto, é encarar a realidade, entendendo que os recursos são finitos e as demandas infinitas. Temos que ter os pés no chão para saber dar uma assistência íntegra à população e que existe limitação financeira. Faremos o possível para ter o melhor atendimento à saúde da nossa região.

 

CORREIO9 – E a relação com os demais servidores?
ANDRÉ – Conheço a grande maioria dos servidores da saúde, que são profissionais comprometidos com o que desempenham e que gostam do que fazem. Tenho uma relação muito harmônica com veracidade no que é falado e tenho certeza que vamos desenvolver um ótimo trabalho.

 

CORREIO9 – Dá para implantar uma gestão participativa?
ANDRÉ – Sim. Nós devemos incluir ações que são exaltadas pela população desenvolvendo ações conjuntas com o Conselho de Saúde, Estado e União, pois bons serviços de saúde só acontecem com o envolvimento de todos.

ANDRÉ FAGUNDES: “A prioridade é fazer o nosso dever de casa bem feito, fortalecendo a atenção básica e dar suporte aos atendimentos realizados no Hospital São Marcos”.

CORREIO 9 – Apesar de assumir agora, o senhor deve ter conhecimento dos serviços oferecidos pela municipalidade na pasta que ocupa. Liste os principais.
ANDRÉ – A Secretaria de Saúde desenvolve um bom trabalho em promoção e prevenção no setor de PACS e ESF´s, dentre eles podemos destacar o Programa de Tuberculose e Hanseníase, que é referência estadual. Destaque também para o laboratório de análises clinicas, com profissionais muito competentes e uma central de regulação municipal muito competente. O Programa de Combate ao Tabagismo e por aí vai. Poderia ficar horas aqui citando os bons serviços que são prestados à comunidade, que iremos aperfeiçoar no que for necessário e dar continuidade ao que funciona bem.

 

CORREIO9 – Algum setor que o senhor entende que precisa ser olhado com mais carinho?
ANDRÉ – Todos os setores devem ser avaliados com muita atenção e pouco a pouco entender o que precisa ser melhorado. O que pretendo logo de início é aumentar a capacidade de produção do nosso laboratório de análises clínicas para diminuir a demanda reprimida deste setor. E em virtude do período de transição do Programa Mais Médicos, resolver de imediato a falta do profissional médico no quadro de servidores.

 

CORREIO9 – Como será a relação com a Secretaria Estadual de Saúde (SESA)?
ANDRÉ – A relação com a SESA tem que ser muito harmônica, pois não se faz serviços de saúde apenas com recurso municipal. Precisamos do apoio tripartite para fazer um bom trabalho; o Estado e a União devem estar presentes no município.

 

CORREIO9 – Quais são as prioridades da política municipal de saúde?
ANDRÉ – A prioridade é fazer o nosso dever de casa bem feito, fortalecendo a atenção básica e dar suporte aos atendimentos realizados no Hospital São Marcos, pois saúde é uma só e um serviço depende do outro. Se a atenção básica vai bem, o hospital caminha bem e quem ganha são os venecianos.

 

CORREIO9 – O senhor gostaria de deixar alguma mensagem à população de Nova Venécia no que se refere à saúde pública que está sob seu comando neste instante?
ANDRÉ – O que gostaria de dizer é que vamos fazer um trabalho sério, com muito compromisso para atender bem a população tanto em qualidade e quantidade. Temos que entender que não há recurso suficiente para realizar o que gostaríamos de fazer, pois como já fora frisado, os recursos são finitos e demandas são infinitas. No entanto, todo cidadão pode ficar tranquilo pois empenho não vai faltar para garantir um atendimento com integralidade, equidade, igualdade e universalidade.

COMPARTILHE

COMENTE