Coluna Exclusiva do Jornal Correio9 – Rugido (23/03/2019)

Por Billy Baldo – billybaldo@correio9.com.br


Sim, você já sabe que aqui publicamos as mulheres mais lindas da região. E hoje, temos Kaysa Barros da Costa, de 22 anos. Natural de Nanuque-MG, a gata reside em Montanha e cursa o 7º período de Psicologia. Para ela, a família é a maior paixão desta vida. Certíssima!

Circo
O Super Star Circus estreou em Nova Venécia nesta última quinta-feira (21). Ele está armado próximo ao Posto Ferrari, na Cidade Alta. As sessões acontecem todos os dias, às 20h30. No sábado e domingo, são duas sessões (às 18 horas e às 20h30). A trupe de artistas deve permanecer na cidade até o fim da próxima semana.

Diversão
Espetáculos circenses sempre fizeram sucesso por essas bandas, e, principalmente quando há interação com o público, sempre deixam muitas histórias para contar.

Beira-Rio
Antes de existir a Praça do Granito – inaugurada em 1992 (rebatizada de Praça Adélio Lubiana), os circos que chegavam a Nova Venécia comumente se instalavam por ali. Lembro de ter ido em alguns onde hoje está fincado o espelho d’água e o monumento em granito, logo à esquerda da Ponte Cristiano Dias Lopes. Em outras ocasiões, as tendas eram armadas no local em que hoje está erguido o Ginásio de Esportes Getúlio Martins (inaugurado em 1988).

Causos
Sempre escutei histórias engraçadas envolvendo a plateia e os artistas no picadeiro e vou tentar, de forma sucinta, contar algumas.

O Cantor
No fim dos anos 70 estava sendo anunciado num carro de som, em Nova Venécia, que Waldick Soriano iria se apresentar num Circo montado em Nestor Gomes (Km 41). Todo mundo na cidade só comentava daquilo, pois queria assistir ao show do famoso cantor brega da época. Muitos venecianos partiram para lá (de carro, bicicleta e até de cavalo). A estrada ainda era de chão.

Quebra-Pau
Uma multidão se fez presente para ver o compositor da música “Eu não sou cachorro não”. Porém, na hora do anúncio, o apresentador chamou uma dupla para cantar: Valdique & Soriano (membros do próprio circo). As pessoas, revoltadas pela enganação, arrebentaram todo o local e exigiram o dinheiro do ingresso de volta.

Fortão
Certa vez, já em Nova Venécia, uma das atrações era um tal de Hulk Baiano (um brutamontes de quase dois metros de altura). Ele deitava no chão, colocava blocos de cimento no peito e desafiava alguém da plateia para quebrar os objetos utilizando uma marreta.

‘Baixou Hospital’
Um famoso veneciano mecânico de caminhão – forte também – aceitou o desafio. Só que ele pediu para buscar a marreta dele (que era maior) no seu carro. O mecânico arrebentou os blocos e, também, o pobre Hulk, tamanha força que desceu a ‘marreta’. Na mesma hora, o brutamontes de dois metros teve que ser levado para o hospital e o show acabou por ali. No outro dia, ninguém mais sabia de Hulk Baiano e nem do circo, que desmontou a lona e foi embora da cidade.

O Show
No início dos anos 80, outro veneciano foi participar de um show musical no circo (armado onde hoje é o Ginásio de Esportes). Ele teve que levar sua parafernália sonora, pois não havia, e também providenciou um pedestal para o microfone. Fez este pedestal utilizando vergalhão três/oitavo (grosso) e ficou ali, esperando sua vez de se apresentar.

Pânico
Num dado momento, o apresentador do circo (era uma mistura de circo com vaquejada) alertou que uma vaca brava havia fugido e começou a correria. O bicho partiu pra cima do veneciano com tudo. Ele não pensou duas vezes, apanhou o pedestal (vergalhão) e acertou bem colocado na vaca, que morreu ali mesmo, no local.

Cobrança
Para muitos, o veneciano foi o herói da noite. Porém, o dono do circo apareceu e falou que a vaca era premiada, e que o cidadão teria que pagar 60 mil Cruzeiros (dinheiro da época) por ter matado o animal. O nosso conterrâneo não tinha condições de pagar tamanha quantia, e, teve uma ideia.

Açougueiro
Ele pegou uma faca ali mesmo e começou a destrinchar o bicho para vender as suas partes. Muitas pessoas, para ajudar, compraram e saíram de lá levando um pedaço de carne. Foi arrecadado 54 mil Cruzeiros, que o nosso herói entregou para o dono do circo. Os 6 mil Cruzeiros que faltavam, ele disse que trocaria pelo cachê do show que iria fazer. Acabou por isso mesmo; o circo foi embora e não teve mais espetáculo algum, nem mesmo do veneciano, pois o proprietário partiu e disse que não queria correr o risco de, por ventura, ter mais algum animal morto. São coisas do nosso cotidiano! São ‘causos’ da nossa linda Venécia!

Fome de Leão
Nesta mesma época, os circos rodavam o Brasil levando elefantes, leões e outros animais selvagens. Em Nova Venécia, havia distribuição de ingressos para quem levasse gatos para alimentar os leões. Sim, gatos, felinos, bichanos. Ou você achava que os proprietários de circo gastariam dinheiro comprando carne para as suas feras? Tem gente até da ‘high society’ da cidade que fez macabra troca. Hoje, seria um absurdo e, certamente, haveria muitos protestos nas redes sociais. Outros tempos aqueles; que maldade com os gatinhos…

Na Prisão
Até o fechamento desta edição, o ex-presidente da República Michel Temer ainda estava atrás das grades. No mundo livre da internet, um gaiato postou: “é melhor apagarmos todas as pichações espalhadas pelo país com a mensagem #ForaTemer, se não, pode soar como uma campanha que queremos ele livre da cadeia. Ele está onde deve estar”. Faz sentido.

Grande Praça
As obras da Praça da Cidade Alta (no antigo Parque de Exposições de Nova Venécia) estão a todo o vapor. O local contará com campos de futebol, quadras, quiosques, pista para caminhada e uma linda jardinagem. Se tudo correr dentro do cronograma, a Vila Olímpica – como também é conhecida – será inaugurada em meados de 2019. Não é qualquer cidade deste estado que conta com gigantescas praças estruturadas, como esta que será entregue à população. E aqui, ainda, temos outra: a Praça Adélio Lubiana, que sempre foi cartão-postal de Nova Venécia.

Legal
Uma curiosidade da nova Praça, e que pouca gente sabe, é que, vista do alto, grande parte do calçamento do lugar vai formar os cinco Anéis Olímpicos, um símbolo das Olimpíadas. Os anéis coloridos (azul, preto, vermelho, amarelo e verde), entrelaçados e dispostos sobre um fundo branco, simbolizam a união dos continentes em prol do esporte.

Criação
O símbolo dos Jogos Olímpicos da era moderna foi desenvolvido pelo francês Pierre de Frédy, mais conhecido como Pierre de Coubertin (1863 – 1937), o fundador do Comitê Olímpico Internacional (COI). Através dos anéis olímpicos, o Lorde de Coubertin quis representar os valores do universalismo e humanismo presentes no esporte, além de salientar a importância de respeitar as diferenças existentes entre as nações.

Outono
A estação das folhas que caem chegou e trouxe um pequeno alívio para a nossa região. Em Nova Venécia, há dois dias o tempo permanece nublado, escondendo o Sol que tanto castigou a gente no verão. Com o tempo assim, ao menos podemos caminhar pelas ruas sem suar. São Pedro ainda não enviou a esperada chuva, mas, se as nuvens cinzas permanecerem nos céus por longos dias seria uma dádiva. Chega de tanto Sol!

Cheirinho
Estou sentindo cheiro de asfalto. Cheiro de Saúde, Educação e Ação Social. Alô, Avenida Guanabara. Alô, Nova Venécia! Uma revolução em melhorias vai acontecer devido ao alinhamento de forças do PSB.

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here